A THQ Nordic, outrora conhecida como Nordic Games (fundada em 2011 pelo empreendedor sueco Lars Wingefors), realmente não para. A publisher austríaca acaba de levantar mais de 225 milhões de dólares justamente para a aquisição de mais estúdios de desenvolvimento de jogos.

A empresa, que foi uma das participantes do leilão que “fatiou” a finada THQ, em 2013, levando para casa diversas franquias famosas, incluindo Darksiders, já adquiriu uma série de estúdios e empresas. São dela agora, por exemplo, a publisher Koch Media (que tem como um de seus braços a Deep Silver), a desenvolvedora Warhorse Studios, responsável pelo fenomenal RPG Kingdom Come: Deliverance, os estúdios Coffe Stain Studios e Bugbear Entertainment e a publisher JoWooD Entertainment, além das IPs Carmageddon, Outcast, Alone in the Dark e Kingdoms of Amalur: Reckoning, dentre vários outros.

Agora, como parte do grande conglomerado e como resultado das aquisições feitas pela empresa, temos diversos jogos e franquias pertencentes à THQ Nordic, incluindo, por exemplo, Darksiders (confira nosso review de Darksiders III), Metro (cujo último título, Metro Exodus, também já foi analisado aqui no XboxPlus), Saints Row, MX vs ATV, Red Faction e Dead Island.

Metro Exodus

Isto sem falar em outros estúdios de desenvolvimento, é claro, pois além dos já acima mencionados, a THQ Nordic também é agora proprietária da Volition, da Dambuster Studios e da Fishlabs.

Trata-se, realmente, de um grande conglomerado que está se formando, de um possível gigante em crescimento, que abocanha pouco a pouco cada vez mais fatias de um mercado que também não para de crescer e de surpreender.

Parte das aquisições acima mencionadas, vale ressaltar, foram realizadas durante o ano passado, e a empresa quer mais. Foi mencionado, em uma declaração dada pela própria, que o dinheiro foi levantado para “novas aquisições de franquias, estúdios de desenvolvimento de jogos ou outros assets que complementem as operações“.

Lars Wingefors, CEO da empresa, sabe muito bem que ainda há um longo caminho a percorrer. Detendo atualmente “meros” 0.5% do mercado global, a companhia sabe que é necessário muito investimento e realmente muitas aquisições para abocanhar uma fatia mais gorda de um mercado tão interessante e promissor.

Vale também a pena ressaltar que o já acima citado Darksiders III, apesar de seus problemas, foi capaz de fazer com que a empresa recuperasse todo o investimento nele feito. Isto sem falar que agora teremos a chance de, quem sabe e felizmente, observar a chegada de um próximo título da série.

De minha parte, não vejo problema algum nisto tudo, principalmente devido ao fato de estarmos aqui lidando com uma empresa (pelo menos por enquanto) não voraz e “prejudicial” (e muitas vezes prejudicial aos próprios jogadores) como, por exemplo, Electronic Arts e Activision (que recentemente demitiu centenas de funcionários).

Além disso, me parece que todos os estúdios e IPs acima mencionados agora estão em mãos estáveis, capazes de lidar com as demandas do mercado e também de oferecer novos e ótimos produtos.

Vamos aguardar pelos próximos capítulos. Vamos aguardar para ver quais estúdios e franquias irá a THQ Nordic adquirir ao longo dos próximos meses (e anos).

(Via: PC Gamer)

Pin It on Pinterest