The Longing foi hoje lançado no Steam. O jogo da alemã Studio Seufz, na verdade criação de um dos membros do estúdio, chamado Anselm Pyta, tem toda uma aura de mistério e de obscuridade.

The Longing, aliás, pode ser traduzido como “O Anseio“. A sombra, a esquálida figura que serve como protagonista do jogo, anseia desesperadamente pelo despertar de seu grande rei.

Ela caminha por corredores e cavernas de tons os mais variados, muitas vezes repletos de itens coletáveis e colecionáveis, com enorme ansiedade e tristeza, muitas vezes.

Neste peculiar e interessantíssimo título, tudo transcorre em tempo real. Temos 400 dias para jogar, e ao final destes o grande rei despertará e, bem, ninguém sabe ainda ao certo o que acontecerá.

Obviamente, podemos optar por aguardar que os 400 (quatrocentos, mesmo!) dias se passem, para finalizar o jogo, ou então podemos utilizar outras “estratégias” (ainda não finalizei, que fique bem claro).

The Longing

O rei deu uma missão ao protagonista do jogo: aguardar a passagem dos 400 dias, durante os quais ele dormirá para recuperar seu antigo poder, sem se afastar muito de sua casa e dele próprio (mas é óbvio que você, como jogador, irá explorar à exaustão).

É claro que a Sombra anseia por mais, assim como o jogador, obviamente: explorar as cavernas e salões subterrâneos de The Longing é muito interessante, apesar de ser também uma experiência um tanto quanto depressiva e soturna, muitas vezes.

Você pode também conferir um pouco das minhas aventuras no jogo da Studio Seufz através dos links abaixo:

Continuando a aventura em The Longing

Vale lembrar antes de tudo que o jogo foi hoje lançado no Steam com algumas melhorias. Agora, ele conta com os seguintes idiomas, além do inglês e do alemão: francês, italiano, espanhol. português do Brasil, russo, coreano e chinês.

The Longing

O lar

Isto é bastante interessante, em minha opinião, pois a Sombra conversa consigo mesma diversas vezes. São pensamentos, ideias, lamentos, lembranças, etc. É todo um conjunto de ideias e palavras que ajuda a contextualizar melhor as diversas situações pelas quais passa o jogador.

A Sombra pode desenhar em sua casa, também, e dentre os desenhos que o jogador pode escolher, está um autorretrato, o qual mais se parece com um desenho feito por alguma criança recém admitida na escola. No parquinho, digamos.

É até mesmo interessante pararmos para pensar na idade da Sombra, principalmente após nos depararmos com o início do jogo e com a maneira como ela é introduzida no mesmo. Mas sem spoilers, ok? Aliás, todos os desenhos que a Sombra é capaz de fazer seguem este mesmo padrão.

Vale lembrar que em The Longing tudo acontece em tempo real: se a Sombra, ou Shade, encontra algum obstáculo e diz que levará 7 dias para que ele desapareça, você terá verdadeiramente que aguardar que os sete dias se passem para então ser capaz de vencer o tal obstáculo.

The Longing

Tempo e jornadas em The Longing

Eu mesmo passei por algumas destas situações. Me deparei, em determinado momento, com um vão que impedia o meu avanço e com uma grande estalactite se desprendendo do teto, bem acima do mesmo, como disse em meu texto anterior sobre o game.

Pude verdadeiramente constatar a contagem de tempo real do jogo: apenas após passado o tempo indicado pela Sombra, in-game e fora dele, é que o tal fragmento rochoso se desprendeu do teto, preencheu a lacuna no terreno abaixo e permitiu, assim, que o personagem principal atravessasse o vão, indo, então, em direção a lugares nunca antes visitados.

Já em outra situação, estou há mais de duas semanas aguardando que uma espécie de poço seja preenchido com a água que verte do teto na forma de pequenas gotas. Bem lentamente.

Trata-se de um processo lento, realmente, e posso constatar, pouco a pouco, conforme vou entrando no jogo e me dirijo a tal lugar, o progresso do preenchimento – mas ainda é impossível atravessar, segundo a própria Shade afirma.

Na moradia da sombra, a qual se localiza bem ao lado do corpo adormecido do enorme rei, existe uma poltrona e uma estante com livros (todos em inglês, entretanto), os quais podem ser lidos à vontade.

The Longing

The Longing também permite que o jogador toque música, na moradia do protagonista, desde que colete previamente todas as peças necessárias para a construção de um instrumento de sopro bastante rudimentar. A música originada de tal instrumento, posteriormente, é também bastante rudimentar, vale destacar.

Aí mesmo na moradia da Sombra, pude também acender a lareira, com os pedaços de carvão que coletei durante minhas jornadas através das diversas cavernas do jogo, e pude também fechar uma espécie de “torneira”, em uma espécie de pia, da qual jorrava água sem cessar (algo que incomodava bastante o protagonista).

Um protagonista interessante

Apesar de simples, ou até mesmo simplório, à primeira vista, o protagonista de The Longing é bastante interessante. Ele conversa sozinho, consigo mesmo, com enorme frequência.

Ele comenta a respeito de novos salões descobertos, a respeito de sua vontade enorme de que o rei desperte logo, e também a respeito de belezas que encontra nas profundezas, como por exemplo uma bela cachoeira em um lago repleto de lindos cristais (os quais podem ser minerados, desde que encontremos a picareta, previamente).

The Longing - Estalactite Caída

O vão, preenchido após alguns dias, pela estalactite caída

Tristemente, a Sombra também menciona um sonho que teve, no qual sonhou com sua própria morte, quando ouviu um enorme grito e posteriormente caiu de grande altura.

Ela também conta, de forma um tanto quanto ansiosa, os desapontamentos que vai acumulando. Por exemplo, ao não conseguir atingir determinada beirada, ao saltar, ela adiciona tal “desapontamento” à sua lista, e diz que agora possui um número x de desapontamentos. É algo bastante triste, e que meio que me lembra de alguém com algum tipo de TOC.

The Longing

Mais alguém nas profundezas

Em The Longing, o protagonista também se depara com uma estranha criatura, durante sua jornada através de cavernas e profundezas inimagináveis. Trata-se de uma espécie de rosto rochoso. De algo encravado na rocha, porém vivo, consciente.

A Sombra pode, então, conversar com tal estranha forma de vida, fazendo diversas perguntas, as quais a criatura responde apenas mediante a doação de certos itens, como por exemplo musgo ou carvão.

São questões interessantes, as quais a sombra faz, que resultam então em respostas bastante estranhas e profundas. Em um destes diálogos, a Sombra ouve que “somente irá sobrepujar a escuridão se aprender a se tornar escuridão“.

The Longing

Em uma outra resposta proveniente da criatura rochosa, o personagem principal ouve que “há luz além desta caverna, mas que tal luz é perigosa e incompreensível“. Ok, isto nos leva a crer que tais criaturas desconhecem o mundo lá em cima, tendo passado a totalidade de suas vidas imersos na escuridão daquele reino cujo rei agora dorme.

Finalizando

The Longing é um jogo extremamente peculiar. Único, eu diria. Interessantíssimo. Delicioso! Adequado, ou melhor, indicado, porém, para jogadores não ansiosos.

A Sombra caminha com enorme lentidão, e não adianta manter o SHIFT pressionado, pois ela não correrá. O título, entretanto, é muito charmoso. Carismático, mesmo.

The Longing

A estranha criatura rochosa

Impossível é, entretanto, eu diria, escrever um review convencional de The Longing, dada sua natureza e dada a forma como é nele contado o tempo. Agora mesmo, por exemplo, no meu jogo, se passaram apenas cerca de 29 dias.

Gostaria também de informar que The Longing é um dos finalistas no “IGF Awards 2020”, na categoria “Nuovo”, para “jogabilidade inovadora”.

Se você gostou de tudo o que leu acima, fique de olho! The Longing já está disponível na loja da Valve, e custa apenas R$ 28,99.

Ficha técnica

Título: THE LONGING

Gênero: aventura, point-and-click, experimental

Desenvolvedora: Studio Seufz

Publisher: Application Systems Heidelberg

Lançado em: 05 de Março de 2020

Plataformas: PC

Versão analisada: PC

Pin It on Pinterest