Supraland (página no Steam), é um jogo que eu recomendo bastante. Talvez (muito provavelmente), infelizmente, ele tenha passado desapercebido no meio de tantos lançamentos recentes, muitos deles AAA.

Obs: vale lembrar também que através da página do jogo no Steam é possível baixar uma versão demonstrativa – algo que eu também recomendo bastante.

Supraland

Obra de uma única mente

O jogo, desenvolvido por uma única pessoa (incrível!), por um cara chamado David Münnich, é mais uma grande prova do quão longe podem ir desenvolvedores pequenos com grandes ideias. Supraland é verdadeiramente sensacional.

Trata-se, segundo as descrições do próprio David, de uma mistura entre “Portal, Zelda e Metroid“. Você encontrará nele elementos comuns a várias destas franquias, e também encontrará muitos, muitos puzzles. Segundo a página do jogo, aliás, grande parte dele é composta por quebra-cabeças.

E eu posso garantir a você que eles são inteligentíssimos, muitas vezes difíceis, exigindo que o jogador “pense fora da caixa” e muitas vezes nos forçando a recarregar o último checkpoint. Supraland é um jogo, além de tudo, muito bonito.

Supraland

Gráficos e história

Seus gráficos nos remetem a séries como Zelda e até mesmo Mario, por exemplo, assim como encontramos elementos deste último durante o gameplay. Temos de coletar moedas douradas aos montes, tudo para que possamos adquirir aprimoramentos, melhorias diversas junto a mercadores encontrados ao longo do gameplay.

Isto sem falar nos barris, é claro, os quais devem ser localizados e entregues, para então desbloquearem novos itens e habilidades nos vendedores, itens e habilidades que quase sempre são de extrema utilidade, capazes, por exemplo, de aumentar nossas chances de causar dano crítico, de aumentar nossa vida, de desbloquear saltos duplos e triplos, etc.

Supraland

Toda a história do game, aliás, acontece em uma espécie de sandbox. Fazemos parte do grupo dos “vermelhos” (ou Reds), que moram em um lugar chamado Red Town. O protagonista, aliás, é um pequeno bonequinho vermelho de brinquedo, filho do rei de Red Town. Como inimigos, temos os bonequinhos azuis, de Blue Ville, liderados, obviamente, pelo tal “Rei Azul”.

Tudo acontece, é importante ressaltar também, no “pequeno” jardim de um pequeno garoto, o qual pode ser visto, de vez em quando, ao longe, no alto, como se fosse um gigante assustador. Algo incrível, aliás, é observar a qualidade das animações, das interações, da aventura e dos puzzles, em Supraland.

Supraland

Mas divago, por enquanto. No jardim compartilhado por “vermelhinhos” e “azuizinhos”, problemas acontecem, e tudo começa com uma grande falta d’água. À partir daí, você, como protagonista do jogo, deve sair em busca de respostas (e de soluções). Uma tarefa não lá muito condizente, diga-se de passagem, com sua posição como “herdeiro do trono”. Mas tudo bem.

Um mundo enorme para ser explorado

Com perspectiva em primeira pessoa, o puzzle game de David Münnich (ou Supra Games) é um verdadeiro must have para todos aqueles que apreciam as franquias acima mencionadas, além de sandboxes repletos de puzzles e de oportunidades para exploração.

Supraland

O mundo do jogo é enorme, e não faltam áreas secretas repletas de segredos apetitosos, como por exemplo novas armas, armaduras, power-ups, e mais uma série de outros elementos bastante importantes durante o gameplay.

Supraland

No jardim “comandado” pelo “garoto gigante” (de acordo com a perspectiva dos pequenos bonequinhos de plástico, obviamente), você tem de, pouco a pouco, evoluir seu personagem, adquirindo novas habilidades e armas, e também descobrir meios de acesso a locais, muitas vezes, localizados em alturas vertiginosas.

É realmente fantástico, aliás, como o jogo consegue nos “forçar” a subir em estruturas descomunais, algumas vezes, capazes de fazer com que cheguemos a alturas incomensuráveis, capazes também de fazer com que sintamos enorme medo de cair, caso erremos algum passo.

Fiquei sempre perplexo, em tais momentos. As próprias estruturas em si, aliás, são muitíssimo bem desenvolvidas, cheias de puzzles, de portais que devem ser abertos (o force cube – ver abaixo – é essencial).

Aquilo que começa como uma simples missão de exploração que tem como objetivo descobrir por que está faltando água em Red Town, então, aos poucos assume ares maiores. Fantásticos. Épicos.

Supraland

Metroid, Portal, Zelda, etc

Não faltam em Supraland puzzles e portais que devem ser resolvidos/acionados através de armas que nos remetem a Portal, por exemplo. Temos o Force Cube, que cria uma espécie de bloco gelatinoso que pode servir a múltiplos fins (inclusive para que possamos alcançar lugares mais altos), temos uma arma chamada MacGuffin, com raios em variantes vermelho e azul, e temos também a necessidade de interagir com switches, botões diversos, plataformas, etc.

Supraland é um daqueles jogos a respeito dos quais você não ouvirá falar muito por aí, o que é uma pena. Porque temos aqui uma verdadeira obra prima, algo capaz de agradar a uma parcela enorme de jogadores cansados da mesmice que muitas vezes invade o mundo dos títulos AAA.

Supraland

Seus gráficos, além de tudo (o jogo foi desenvolvido na Unreal Engine), são bonitos demais, carismáticos demais, agradáveis demais. O jogo todo nos passa uma sensação enorme de calma e leveza, calma e leveza estas apenas “quebradas” quando algum quebra-cabeças literalmente nos faz perder a cabeça. Mas isto faz parte da proposta do próprio game, que fique bem claro.

É importante ressaltar que é bem difícil ficar “perdido”, entretanto: sempre existem dicas. Sempre existem indicadores do que fazer a seguir, e nos momentos em que nos sentimos um tanto quanto deslocados, podemos conversar com os simpáticos NPCs, podemos também observar fios os mais diversos que vão de um ponto ao outro (os quais estão sempre relacionados a algum mecanismo que interage com determinado quebra-cabeça/porta/dispositivo), e podemos também utilizar as diversas placas espalhadas pelo grande mundo do jogo, as quais sempre indicam o caminho que deve ser percorrido.

Supraland também conta com combates: você empunha espadas e armas diversas, que disparam diferentes tipos de rajadas. Você enfrentará, também, diversos tipos de inimigos, incluindo chefes. Você também deverá ter em mente constantemente que nada é tão simples quanto parece: tão logo chega a uma nova área, você deve sempre tentar conversar com os NPCs locais a fim de tentar descobrir novas missões/objetivos, novas direções, objetivos primários e, obviamente, o que está acontecendo no local em questão.

Supraland

Isto sem falar na exploração, obviamente. Acredite: sem explorar bastante você não obterá moedas suficientes para os mais do que necessários upgrades. Sem explorar bastante, você não descobrirá áreas secretas. Sem explorar muito, aliás, você provavelmente não conseguirá prosseguir no jogo. Exploração é algo essencial, em Supraland.

Não falta humor no jogo, também, e em determinado momento você chegará inclusive a se deparar com alguns “vermelhinhos” que dizem que Jesus Cristo só poderia ter sido vermelho, e não azul. É tudo muito delicado e bem balanceado, e ninguém, creio eu, ficará ofendido devido a tais momentos.

Supraland

A variedade dos puzzles, por falar nisso, é imensa, e todos eles são muitíssimo bem desenvolvidos. Nenhum deles é simples demais, mas também, nenhum deles é complicado demais ao ponto de fazer com que os jogadores desistam. Tudo tem um porquê, e ficar atento aos ambientes e aos elementos neles presentes é uma das chaves para o sucesso no jogo.

Supraland também nos oferece bons “momentos plataforma”, e aqui fica uma reclamação minha: muitas vezes despencamos de alturas vertiginosas justamente porque erramos alguns mínimos milímetros em nosso salto. É um tanto quanto frustrante, este “problema”, e eu confesso que não consegui, até agora, ajustar a sensibilidade de acordo, mesmo após várias tentativas.

Supraland

Ao utilizarmos o “force cube”, por exemplo, somos capazes de rapidamente intercalar duas unidades, uma em cima da outra. Temos, entretanto, de agir bem rapidamente, pois o aparecimento de uma nova unidade faz com que a outra seja automaticamente eliminada.

Mas podemos aproveitar, assim, alguns rapidíssimos momentos propícios para pulos duplos ou triplos mais poderosos: o problema é que a alta sensibilidade pode atrapalhar bastante as coisas, e podemos “beijar o chão” com enorme frequência.

Finalizando

De qualquer forma, estamos diante de uma verdadeira obra prima indie. De um indie game claramente desenvolvido com enorme esmero. É incrível, aliás, percebermos dentro do jogo a maneira como estamos inseridos em seu universo, muitas vezes observando o “pequeno grande menino” à distância, à tudo observando, como se fosse um grande deus.

Supraland

Um deus de seu pequeno e belíssimo jardim, repleto de elementos mundanos, como por exemplo velas, lápis, borrachas, etc, tudo isto enquanto as criaturas que ali vivem possuem suas próprias crenças, preocupações e interesses, incluindo igrejas e menções a santos e outras figuras religiosas do mundo real.

Supraland é verdadeiramente incrível, e eu espero sinceramente que seu criador, David Münnich, consiga fazer com que ele alcance grandes audiências. O jogo merece. A mente por trás dele merece. Mais jogadores merecem conhecer uma obra tão incrível. Recomendadíssimo!

Ficha técnica

Título: Supraland

Gênero: aventura, puzzle, exploração, sandbox

Desenvolvedora: Supra Games (David Münnich)

Publisher: Supra Games (David Münnich)

Data de lançamento: 05 de Abril de 2019

Plataformas: PC (Steam e Itch.io)

Versão analisada: PC

Fique agora com um trailer do game:

Pin It on Pinterest