Stela será lançado no Steam amanhã, 13 de Março de 2020. O jogo também foi lançado para Apple Arcade e Xbox One, em 2019, sendo que uma versão do mesmo está para chegar ao Nintendo Switch.

Trata-se, verdadeiramente, de um jogo de plataforma em 2.5D bastante sombrio. Ele me lembra, até, em alguns momentos, de Limbo, da PlayDead.

Jogo - Stela

Mas vamos nos ater ao game sendo analisado. Stela conta a história de uma jovem que vivencia, de forma bastante intensa, os últimos dias de uma misteriosa e antiga civilização. De um velho mundo, digamos.

De um mundo que ainda conta com figuras que se parecem com velhos monges, e com guerreiros invisíveis que chegam a lançar flechas incandescentes contra a pequena protagonista.

Jogo - Stela

Com gráficos em 2.5D, temos aqui um jogo verdadeiramente cinematográfico. Temos a movimentação da personagem em 2D, dentro de um ambiente 2.5D, porém, o que confere à protagonista alguns “poderes”, ou melhor dizendo, habilidades, bastante interessantes. A protagonista pode se movimentar para outros planos: para o “fundo”, por exemplo, e assim por diante.

A história de Stela

Stela oferece ao jogador uma “narrativa sem palavras”. Sem diálogos, sem legendas. Trata-se de mais um daqueles títulos extremamente estilosos que contam uma história sem uma linha de diálogo sequer.

Stela, aliás, em minha opinião, conta com alguns elementos que remetem ao também espetacular Planet Alpha, da Planet Alpha ApS / Team17, principalmente no tocante aos quebra-cabeças (e acredite em mim: o jogo é cheio de puzzles).

Supomos que a jovem protagonista se chame Stela (o jogo não menciona tal fato em nenhum momento – aliás, lembre-se: não temos diálogos). Ela percorre paisagens e cenários os mais diversos, sempre em meio a grande desolação e destruição.

Jogo - Stela

A personagem principal sempre caminha em meio a cenários gigantescos, aliás. O jogo faz questão de deixar bem clara a fragilidade da protagonista em meio à todo aquele caos.

Temos maquinários diversos que podem entrar em funcionamento (após a resolução de algum puzzle, por exemplo), temos velhas construções, temos ambientes gelados e florestas calcinadas, e também temos referências visuais e sensacionais a uma estranha e possivelmente muito antiga tecnologia.

Jogo - Stela

Jogando Stela: um jogo de plataforma extremamente carismático

Em determinado momento do gameplay, Stela entra em contato com a tal antiga tecnologia que mencionei acima, a qual é capaz inclusive de teletransportá-la, dependendo do local e do momento.

Tal tecnologia, aliás, também se manifesta no final bombástico e imperdível do game, e eu não pude deixar de notar certos tipos de referência, no título, à mitologia nórdica (até mesmo no que diz respeito à trilha sonora).

Sempre em azul fosforescente, podemos nos deparar com diversos momentos em que espécies de “letreiros” se acendem e exibem figuras que se assemelham a runas.

Jogo - Stela

Algo também verdadeiramente digno de nota no jogo da canadense SkyBox Labs, é o fato de que temos muito espaço para ação furtiva/stealth. Ou melhor, assim somos forçados a agir, devido aos inúmeros perigos que nos cercam, com grande frequência.

Monsters, monsters, monsters

Enquanto perambulamos pelo belo porém triste e obscuro mundo de Stela, podemos observar com enorme frequência diversas criaturas à nossa volta. Elas podem estar em outros planos do cenário, mas podem também rapidamente virem em nosso encalço e nos matarem de formas horríveis.

Jogo - Stela

É justamente aqui que devemos agir com cautela, nos escondendo atrás de rochas e outros elementos do cenário, ou então correndo enquanto as criaturas estão olhando para o fundo dos ambientes, por exemplo.

Jogo - Stela

Também somos obrigados a lidar (ou melhor, a fugir), inúmeras vezes, com hordas de ratos assustadoras, e nestes momentos, não pude deixar de me lembrar do inesquecível A Plague Tale: Innocence.

Em Stela, temos desde monstros com aparência simiesca até criaturas que rastejam sob o gelo, passando por “hordas” assustadoras de pássaros vorazes e os já acima mencionados ratos.

Jogo - Stela

Isto sem falar na gigantesca e assustadora serpente que em determinado momento destrói literalmente grande parte do cenário, forçando Stela a correr desesperadamente.

Todos estes monstros, todas estas criaturas, é sempre importante ressaltar, podem também estarem ligadas a determinados puzzles: nestes casos, a resolução do tal quebra-cabeça é o que liberará a nossa passagem.

Jogo - Stela

Puzzles

No jogo, temos uma quantidade até que bem grande de puzzles. Grande parte deles, aliás, eu chamaria de “puzzles ambientais”, uma vez que eles geralmente colocam em movimentação partes do cenário, de construções, de edifícios diversos, etc.

Os puzzles não são muito difíceis, mas também não chegam a ofender a inteligência de ninguém. Eu diria que os puzzles em Stela são extremamente gostosos de se jogar/resolver, principalmente quando nos deparamos com algum tipo de alteração drástica nos gigantescos cenários exibidos em tela.

Jogo - Stela

Os quebra-cabeças do jogo são bastante engenhosos, na verdade, e muitas vezes, acabam eliminando grandes monstros que, de outra maneira, iriam nos causar grandes problemas (ou até mesmo impedir a progressão).

Jogo - Stela

Gráficos e trilha sonora

Os gráficos do game Stela são muito bonitos. Eu diria que eles não são nada estupendos, obviamente, mas afinal de contas, também, esta não deve ter sido a ideia do estúdio pelo título responsável.

Afinal de contas, temos em mãos um jogo que nos apresenta a um mundo decadente, prestes a ruir, e muitos cenários contam com uma espécie de nevoeiro que torna tudo mais sombrio ainda.

Jogo - Stela

Stela mostra ao jogador diversos cenários desolados. Diversas estruturas decadentes. Monstros obscuros sempre prontos a lançarem suas garras sobre a pobre protagonista e mandá-la para o limbo.

O que também é notório, devo dizer mais uma vez, é a enorme impressão de fragilidade da protagonista: ela é bastante pequena, diminuta, mesmo, frente aos ambientes e desafios gigantescos que atravessa.

Jogo - Stela

A trilha sonora do jogo, por outro lado, é soberba. Sempre “casando” muito bem com cada um dos momentos do gameplay. Temos diversos momentos com acordes dissonantes, e temos cordas para “dar e vender”.

Temos vários momentos com temas tribais, também, sendo que tudo, no geral, é bastante perturbador. Não faltam, também, momentos magistrais, verdadeiramente imponentes, magníficos, dependendo com a situação em tela. A orquestração é sempre fenomenal.

Jogo - Stela

Algumas considerações finais

Stela é um indie game simplesmente fantástico. Um título de plataforma com gráficos em 2.5D, repleto de puzzles muito bem elaborados, e uma infinidade de momentos em que devemos utilizar ação furtiva.

Como se não bastasse tudo isto, temos uma fantástica “história sem palavras”, nos mesmos moldes, talvez, de FAR: Lone Sails. Isto sem falar que Stela, provavelmente o nome da frágil protagonista, atravessa inúmeros perigos sem utilizar arma alguma.

Jogo - Stela

Suas “armas”, digamos, são meros saltos, escaladas, interações com elementos do cenário (ela pode arrastar objetos, por exemplo) e resolução de puzzles diversos, sempre muito inteligentes e dentro do contexto da narrativa.

Stela é um verdadeiro “must have” para todos que apreciam uma boa história, um bom jogo de plataforma, trilhas sonoras arrebatadoras e títulos extremamente atmosféricos.

Jogo - Stela

E o final do jogo? Ah, que final! Verdadeiramente fantástico! Eis aqui um jogo recomendadíssimo!

Ficha técnica

Título: Stela

Gênero: aventura, plataforma, puzzle, atmosférico

Desenvolvedora: SkyBox Labs

Publisher: SkyBox Labs

Lançado em: 13 de Março de 2020

Plataformas: Xbox One, Apple Arcade (2019) / PC, Nintendo Switch (13 de Março de 2020)

Versão analisada: PC

Confira abaixo, agora, o trailer de lançamento do jogo:

Pin It on Pinterest