Lançado na Epic Games Store e também para Xbox One e PlayStation 4 em Janeiro de 2019, Genesis Alpha One finalmente chegou ao Steam e ao GOG (Edição de Luxo, com artbook, trilha sonora e DLC “Corporação Rocket Star”), em 25 de Fevereiro de 2020.

Trata-se de um jogo que mistura elementos de sobrevivência com tiro em primeira pessoa e rogue-like. Isto sem falar no gerenciamento de uma nave espacial e também, de certa forma, em construção de bases, bem como do gerenciamento das mesmas.

Genesis Alpha One

Entrando em hyperdrive

Desenvolvido pelo estúdio alemão Radiation Blue e com publicação à cargo da britânica Team17, o jogo é uma interessante alternativa para jogadores que apreciam ficção científica e jogos com temática espacial; para jogadores que apreciam games com temáticas que envolvam alienígenas e também aos jogadores que gostaram de FTL: Faster Than Light também, é importante dizer.

A história de Genesis Alpha One

No jogo, a humanidade chegou a um ponto crítico. Guerras e desastres naturais acabaram empurrando a civilização a um ponto onde a busca por outros planetas habitáveis se transformou em uma necessidade urgente.

Genesis Alpha One

Pesquisas realizadas em Marte acabaram fornecendo aos cientistas os pré-requisitos necessários para a criação do hyperdrive, e assim sendo, possibilitando viagens intergaláticas.

Em Genesis Alpha One, temos então o programa Genesis, o qual acaba descobrindo a uma galáxia inteira repleta de “planetas candidatos”, todos eles, obviamente, tão cheios de recursos quanto são cheios de alienígenas os mais diversos (além de perigosos).

A humanidade acabou descobrindo uma nova galáxia, como dito acima, a qual foi chamada de Alpha One (afinal de contas, ela foi a primeira, verdadeiramente), e para lá o jogador é então enviado, na pele de um capitão, digamos, que é de certa forma até que meio “descartável”. Mas tal galáxia não foi a única a ser descoberta, vale lembrar.

Genesis Alpha One

Artefatos alienígenas “escaneáveis”

Jogando

Genesis Alpha One conta com um modo de construção bastante completo, o qual permite que o jogador crie sua própria e personalizada nave espacial, com todos os elementos necessários para a sobrevivência dele mesmo e de sua equipe.

Genesis Alpha One

É preciso construir e contar com diversos módulos/elementos, incluindo reator, harvester (módulo que desce até os planetas e permite a coleta de recursos), tractor beam, para coletar recursos à partir de “nuvens” de destroços, ponte, depósitos, etc.

O jogo é uma espécie de “híbrido”, pois conta com sistemas e subsistemas que podem ou não serem utilizados pelo jogador. Podemos, por exemplo, enviarmos nosso pequeno harvester até um determinado planeta e deixar que ele faça o trabalho sozinho, e também podemos nele embarcar em divertidas porém perigosas missões espaciais.

Entra aqui em cena, então, o lado FPS de Genesis Alpha One, pois fatalmente entraremos em contato com criaturas alienígenas extremamente hostis, as quais podem também servirem como material para coleta, após serem devidamente “neutralizadas”.

Genesis Alpha One

O jogo híbrido, digamos assim, da Radiation Blue, é um amálgama de belas ideias e mecânicas, permitindo que o jogador solte sua imaginação em uma galáxia totalmente desconhecida, e até mesmo entre em contato com naves “desconhecidas”, como por exemplo mercadores de recursos os mais diversos.

Genesis Alpha One

Alienígenas e planetas

Genesis Alpha One gera suas galáxias de forma procedural, o que garante que nenhum playthrough será igual a outro. Nenhuma campanha será igual à outra.

Ao descermos em planetas desconhecidos, embarcando em nosso harvester (algo como colheitador), nos deparamos geralmente com paisagens antes inimagináveis.

Genesis Alpha One

Bem, eu pude me deparar com alguns planetas bastante estranhos, embora grande parte deles possuísse grandes semelhanças com paisagens vistas no planeta Terra, sou obrigado a dizer (esqueça aquele “lado No Man’s Sky”, aqui).

Enquanto em um planeta, podemos utilizar um equipamento especial para extrair diversos recursos de rochas espalhadas dentro de uma espécie de “bolha” gerada por nossa nave, a qual serve para que possamos respirar.

Genesis Alpha One

Extraímos elementos como ferro, alumínio, cobre, Irídio, etc. É tudo bastante simples, no que diz respeito à extração, mas criaturas alienígenas sempre aparecem para nos atrapalhar.

Genesis Alpha One

O Harvester

Nestes momentos, dispomos então de armas e entra em cena o lado FPS de Genesis Alpha One: podemos atirar à vontade em tudo aquilo que se move. Simples, rápido e limpo (tudo bem, nem sempre).

Passageiros indesejáveis

Seja através do harvester, ou até mesmo através do tractor beam, aliens realmente indesejáveis podem invadir nossa nave. Nestes casos, nossa tripulação entra em ação automaticamente, e nós podemos também entrar na “brincadeira”, ajudando na “limpeza”.

Temos duas armas à disposição, uma pistola energética com munição infinita e uma espécie de escopeta cuja munição pode ser esgotada. Os alienígenas geralmente são eliminados bem facilmente: o jogo não se foca neste quesito, é preciso dizer.

Genesis Alpha One

Alienígenas

O foco de Genesis Alpha One está nos elementos rogue-like, sobrevivência, e no quão “sortudo”, digamos, o capitão é, no momento de selecionar os alvos para buscar por recursos. Ah, sem falar na clonagem.

Clonando membros da tripulação

Meio que para garantir que os melhores resultados sejam obtidos, o programa Genesis introduziu em nossa nave o equipamento necessário para clonarmos nossa tripulação.

Podemos contar com até cinco clones para cada sala/repartição da nave, e também podemos utilizar DNA alienígena coletado durante nossas missões durante este processo.

Aqui o jogo fica um pouco mais complicado, pois, por exemplo, seres humanos normais necessitam de alguns determinados pré-requisitos para sua sobrevivência.

Genesis Alpha One

Coletando recursos

Quando tivermos membros “híbridos”, digamos, será necessário ajustar alguns elementos na Biosfera da nave, com a presença das devidas plantas, por exemplo, além de outros elementos que ajudarão a compor os ambientes necessários para que todos os tripulantes possam viver numa boa. Muito bacana.

Algumas considerações finais

Podemos entrar em hyperdrive ao selecionarmos alvos fora da galáxia na qual estamos (acompanhado dos devidos e interessantes efeitos visuais), e podemos também optar pelo envio de nossa pequena “colheitadeira” quando bem desejarmos.

Vale ressaltar que caso você morra em ação, um membro de sua equipe será automaticamente promovido a Capitão, e assim por diante, até que todos os membros sejam esgotados. Aí, é game over. Sem dó nem piedade.

É também bastante interessante construir nossa própria nave, através do construtor bastante completo do game, o qual, além disso, é extremamente intuitivo.

Aliás, vale ressaltar que é sempre possível plantar árvores e outros tipos de plantas na Biosfera, a qual, como já dito acima, é responsável por manter os ambientes adequados para a sobrevivência da tripulação, a qual ao longo do tempo pode “ganhar” membros com DNA alienígena.

Genesis Alpha One

Genesis Alpha One teria, talvez, tudo para dar errado, uma vez que temos aqui diversas mecânicas e ideias, as quais poderiam, caso fossem mescladas de forma descuidada, entrar até mesmo em conflito.

De maneira diferente, entretanto, o que temos é um interessantíssimo, divertido e robusto jogo de ficção científica, com elementos rogue-like capazes de agradar a muitos jogadores, e com detalhes e sistemas que passam por “sobrevivência” e tiro em primeira pessoa. Recomendo bastante!

Ficha técnica

Título: Genesis Alpha One

Gênero: ação, FPS, simulação, rogue-like

Desenvolvedora: Radiation Blue

Publisher: Team17

Lançado em: 04 em Janeiro de 2019 (Epic Games Store, consoles) / 25 de Fevereiro de 2020 (Steam/PC)

Plataformas: Xbox One, PlayStation 4, PC

Versão analisada: PC

Pin It on Pinterest