BPM: Bullets Per Minute (site oficial) parecia um sonho, para mim, quando dele ouvi falar pela primeira vez. Fã ardoroso de rock em suas mais variadas vertentes, não pude deixar de notar este jogo rítmico que mistura elementos musicais com tiro em primeira pessoa e, é claro, muita música boa.

À primeira vista, podemos pensar no jogo da britânica AWE Interactive como uma espécie de mistura entre DOOM e alguns outros jogos musicais, como por exemplo Rock Band e Guitar Hero.

BPM: Bullets Per Minute

Há um pequeno detalhe, entretanto: BPM: Bullets Per Minute é um roguelike, um jogo no qual temos de enfrentar diversas masmorras; dungeons, todas elas geradas proceduralmente.

Sobre BPM: Bullets Per Minute

No título da AWE Interactive, encarnamos uma Valquíria, entidade que, na mitologia nórdica, levava os guerreiros mortos até o Valhalla. Trata-se, aliás, do primeiro título do estúdio, o qual chegou ao mercado em grande estilo.

BPM: Bullets Per Minute

BPM é um jogo rítmico. Um jogo no qual temos de “dançar conforme a música”, digamos. Música esta, aliás, sensacional. Falando nisso, como dizem mesmo os desenvolvedores, temos no jogo um sensacional opera rock como trilha sonora.

Tudo isto se mistura a sensacionais referências à mitologia nórdica. Por exemplo, os nomes das masmorras são todos eles bastante significativos, tais como, por exemplo, Asgard, Vanaheim, Svartalfheim, Helheim, e assim por diante.

BPM: Bullets Per Minute

Enfrentar hordas de monstros os mais diversos ao som do bom metal é uma experiência fantástica e única, principalmente devido ao fato de que todas as nossas ações devem “obedecer” a algumas regras. Regras que devem ser seguidas à risca, caso desejemos sobreviver no jogo.

BPM: Bullets Per Minute

Disparos, recargas, saltos, desvios, etc: tudo isto deve ser feito conforme a batida da música. Conforme o ritmo, obedecendo sempre à música do momento, ã sua batida. BPM: Bullets Per Minute, vale lembrar logo de início, é também um jogo extremamente desafiador.

E não se engane: qualquer descuido é fatal, e você terá então, neste caso, de encarar um novo “mundo”, com configuração totalmente diferente do anterior. Uma nova experiência, aqui, um novo playthrough, será totalmente diferente da anterior, dada a geração procedural das masmorras.

BPM: Bullets Per Minute

A música conduzindo o gameplay

O jogo é rápido, frenético, direto ao ponto. Intenso, mesmo. Lembra bastante os FPSs old-school, e aqui me refiro a DOOM, Wolfenstein, QUAKE, e tantos outros que fizeram a nossa alegria no passado.

A música, entretanto, é um pouco mais lenta do que a ação em tela, talvez para fornecer tempo suficiente para que o jogador se adeque, para que ele se “ligue” ao jogo de forma intensa, obedecendo então, à partir daí, a seus ditames.

O jogador deve recarregar sua arma, por exemplo, conforme o ritmo da música, conforme a batida. Tentar realizar tal procedimento em desacordo com o ritmo da trilha sonora resultará em falha.

O mesmo pode ser dito em relação aos disparos: tente disparar fora do ritmo, em desacordo com a música, e sua arma falhará. Isto é bastante problemático, e por motivos óbvios, quando estamos em meio a hordas bem grandes de monstros. E este é apenas um pequeno exemplo.

BPM: Bullets Per Minute

Os ataques dos inimigos também estão “amarrados”, digamos, ao ritmo da música, e isto faz todo o sentido, além de contribuir para a construção de um espetáculo sonoro sensacional.

Há até mesmo uma espécie de marcador, em tela, o qual é também uma espécie de mira, e que nos ajuda a “ficar de olho no ritmo da música”. BPM é um jogo bastante intenso, e difícil. Você certamente morrerá muitas e muitas vezes.

Podemos até mesmo dizer que, à partir do momento em que “entramos na dança louca do jogo”, estamos ajudando a criar, juntamente com os inimigos, a própria trilha sonora, uma vez que o som dos disparos e das explosões, por exemplo, são perfeitamente “casados” com a trilha sonora (desde que, é claro, estejamos agindo conforme o ritmo da mesma).

First Person Rhythm Action Roguelike

Temos aqui, verdadeiramente, um “First Person Rhythm Action Roguelike”, conforme dito pelos próprios desenvolvedores do jogo. Um “problema”, pelo menos em minha opinião, é o fato do jogo ser um roguelike.

Creio que eu o apreciaria muito mais caso ele fosse um FPS mais tradicional, digamos. Um FPS ainda rítmico, musical, porém com uma campanha (mesmo que “genérica”), mesmo, para que pudéssemos explorar todo o interessante mundo do jogo e suas nuances.

BPM: Bullets Per Minute

O fato é que sendo um roguelike, muitos jogadores poderão abandonar a experiência dentro de algum tempo. Eu, mesmo, estou jogando BPM: Bullets Per Minute por agora, mas sei que não permanecerei por muito tempo imerso em suas masmorras.

O jogo é divertido, bonito (apesar de eu achar um tanto quanto estranho o fato de seus gráficos possuírem uma espécie de “filtro” que deixa tudo com uma aparência meio amarelada, meio esquisita, até).

O design do armamento é super bacana, por exemplo, e o mesmo pode ser dito dos monstros e dos chefões, todos com padrões de comportamento bem distinto. Entretanto, achei a arte do jogo um pouco estranha: creio que ou faltou um pouco de capricho por parte da Awe Interactive, ou foi então “capricho demais”.

BPM: Bullets Per Minute

De qualquer forma, o jogo é excelente, e minhas únicas ressalvas (gráficos e elemento roguelike) não representam motivo algum para estragar a diversão. Muito pelo contrário: trata-se de uma ideia extremamente interessante, e o gameplay é bastante frenético e divertido. Ah, sim: caso houvesse uma “campanha rítmica”, aí sim o jogo seria excelente, em minha opinião.

Algumas considerações finais

BPM: Bullets Per Minute conta com uma grande variedade de armas, além de várias habilidades e itens que podem ser coletados. Habilidades e novas armas, aliás, são adquiridas mediante o uso de moedas que “dropam” conforme matamos monstros.

O fato de que os inimigos também atacam conforme a trilha sonora do jogo é verdadeiramente sensacional, e ajuda a criar um espetáculo audiovisual (mesmo com o “porém” acima, a respeito dos gráficos) estupendo!

O título está disponível exclusivamente para PC, através do Steam e do GOG. Enquanto isso, fique com o trailer do jogo, e ouça também sua ótima trilha sonora:

Ficha técnica

Título: BPM: Bullets Per Minute

Gênero: Ação, Roguelike, FPS

Desenvolvedora: Awe Interactive

Publisher: Awe Interactive

Lançado em: 15 de Setembro de 2020

Plataformas: PC

Versão analisada: PC

Pin It on Pinterest