Confesso que este é meu primeiro contato com Horizon Zero Dawn, jogo que até bem pouco tempo atrás era um exclusivo do PlayStation 4. Este primeiro contato, aliás, se deu através da Horizon Zero Dawn Complete Edition, no PC, a qual também encontra-se disponível no GOG.

Horizon Zero Dawn foi lançado inicialmente em 2017, como um exclusivo. Temos aqui mais um título que “caminhou” da plataforma da Sony para os computadores, tal como Detroit: Become Human, por exemplo.

Horizon Zero Dawn

Trata-se de uma experiência que é capaz de emocionar muito rapidamente. Com menos de uma hora de jogo, você já estará se surpreendendo com a profundidade da narrativa e dos personagens, além da extrema beleza dos gráficos e cenários.

Horizon Zero Dawn

O game é obra de um estúdio, aliás (Guerrilla Games), que possui em seu currículo a famosa franquia Killzone. Uma franquia, como sabemos, de jogos de tiro em primeira pessoa (FPS).

Horizon Zero Dawn, no entanto, é um grandioso RPG de mundo aberto, no qual estamos imersos em um sensacional mundo pós-apocalíptico e no controle de uma jovem e destemida heroína chamada Aloy.

Sobre Horizon Zero Dawn

A Complete Edition do jogo, é importante destacar logo de início, também marcou sua chegada aos PCs, e ela conta com a expansão The Frozen Wilds. Tal edição, falando nisso, foi lançada durante o último mês de Agosto.

Horizon Zero Dawn

Bem, mas o que temos aqui? Temos verdadeiramente um grandioso RPG. Um RPG com grandes doses de aventura e ação (incluindo ação furtiva). Um jogo pós-apocalíptico, também, repleto de contrastes e de uma miríade de outros elementos que o tornam verdadeiramente único.

Horizon Zero Dawn apresenta ao jogador um mundo no qual a civilização como a conhecemos deixou de existir há muito tempo. Esta, no entanto, deixou para trás diversos resquícios. Diversas “lembranças”, vários elementos por ela criados.

Horizon Zero Dawn

Grande parte deles, é importante frisar, jazem inócuos sob camadas generosas de vegetação e/ou ferrugem. Vários outros, em contrapartida, podem ser verdadeiramente mortais, e também são utilizados por diversas facções e/ou grupos dentro do jogo.

Horizon Zero Dawn

O título da Guerrilla Games também reserva algumas surpresas para aqueles jogadores mais afoitos, que tentarem encará-lo de forma, digamos, descompromissada: o combate pode ser brutal, os inimigos (e alguns supostos amigos) são muitas vezes bastante cruéis, e, bem, vamos à história.

Um pouco da história de Horizon Zero Dawn

O jogador tem a oportunidade de conhecer Aloy, a bela protagonista de Horizon Zero Dawn, desde bem cedo. Ainda criança, sob a tutela de um austero guerreiro chamado Rost.

Após algumas interessantes cutscenes iniciais, o jogador tem então a oportunidade de controlar Aloy ainda criança. É durante tal fase, aliás, que começa seu treinamento, tudo visando uma tal Provação futura.

Acontece que tanto Aloy quanto Rost são exilados da Tribo dos Nora, mas ainda assim vivem dentro de seu território, conhecido como Enlace. Se conseguir vencer tal Provação, na verdade uma série de provas bem duras, Aloy deixará de ser uma exilada e será aceita pela tribo.

Horizon Zero Dawn

O jogo mescla elementos de misticismo, curandeirismo, e até mesmo muita crendice, com outros extremamente tecnológicos. Máquinas, muitas delas assassinas, mortais, perambulam através dos campos fora do Enlace.

Horizon Zero Dawn

Máquinas, aliás, que em um momento bastante oportuno, podem ser também extremamente úteis a Aloy. O jogo, à partir de determinado momento, permite que o jogador dome um certo tipo de máquina.

Sim, a tal máquina em questão pode ser domada, se transformando à partir daí em montaria. De forma um tanto quanto semelhante àquilo que vemos, por exemplo, em Assassin’s Creed Valhalla, aliás, podemos chamar nossas “montarias metálicas” à qualquer momento: basta assoviar.

Horizon Zero Dawn

Claro: como máquinas que são, elas podem sofrer danos, e até mesmo serem destruídas completamente. De qualquer maneira, é importante destacar também que há uma habilidade que pode ser desbloqueada, a qual permite o conserto de nossos “cavalos mecânicos”. Mas isto é assunto para um outro dia.

Tecnologia “antiga” e malefícios

Bem, estamos em um mundo pós-apocalíptico, como já dito acima. Toda a velha tecnologia dos Antigos (e entenda por Antigo, aqui, este nosso mundo atual) é vista como algo maléfico, e vale também lembrar que Aloy, ainda menina, obtém em uma tal caverna do antiquíssimo Mundo de Metal um dispositivo bastante precioso.

Trata-se do Foco, o qual permite que ela realize verdadeiras varreduras nos ambientes, máquinas e pessoas, e descubra até mesmo se determinadas máquinas são hostis ou não. Sim, algumas delas se comportam, soltas nos campos, mais como rebanhos de bovinos, digamos, do que qualquer outra coisa.

Horizon Zero Dawn

É dito que existem 26 tipos diferentes de máquinas em Horizon Zero Dawn, cada uma delas com seu respectivo comportamento, com suas respectivas fraquezas e pontos que podem ser explorados.

Existe até mesmo um gigantesco “monstro de metal”, o Pescoção, o qual lembra um pouco um Braquiossauro. Ele aparece pela primeira vez, aliás, em um momento bastante interessante, no tocante ao gameplay: devemos literalmente escalá-lo.

Horizon Zero Dawn

O mundo deste apaixonante e lindíssimo RPG de mundo aberto está repleto de máquinas, é sempre importante ressaltar. Muitas delas, aliás, são controladas por grupos opostos a Aloy e à sua tribo, os Nora.

Há, inclusive, uma tal corrupção que se instaurou em um grande número de máquinas, as quais agem sempre de forma extremamente agressiva. Com seu Foco, entretanto, Aloy pode planejar muito bem suas ações.

Horizon Zero Dawn

E no melhor estilo Assassin’s Creed, podemos nos esconder em meio ao mato alto, jogar pedras para chamar a atenção dos “bichos” (ou então assoviar), e deles dar cabo furtivamente (o mesmo serve para humanos inimigos).

Algumas considerações finais

Como já dito acima, este é meu primeiro contato com este fabuloso game. Meu personagem encontra-se atualmente no nível 10, e tenho alguns objetivos em mente no tocante à sua evolução, os quais serão alguns dos objetivos dos próximos artigos/reviews nesta série.

De qualquer forma, posso dizer seguramente que Horizon Zero Dawn é um dos RPGs mais sensacionais que tive o prazer de jogar até hoje. O título, além disso, conta com ciclos dia/noite completos, além de clima dinâmico (espere por chuvas que vão e vêm, por nevoeiros, etc).

O mais recente trabalho da Guerrilla Games certamente estabeleceu um novo patamar quando lançado, pelo menos no tocante a jogos para a plataforma da Sony. E ele chegou ao PC com pompa e circunstância, aproveitando tudo de bom que esta plataforma tem a oferecer.

O jogo, além disso, conta com um excelente Modo Fotografia, repleto de opções, filtros e efeitos. Se você está em busca de um RPG para “perder” horas e horas, tente dar uma chance a este excelente título.

E aguarde: em breve devo publicar a segunda parte desta série de artigos (afinal de contas, também, comecei a jogar o game no último dia 28 de Novembro).

GOG.com

Ficha técnica

Título: Horizon Zero Dawn Complete Edition

Gênero: RPG, Ação, Mundo Aberto

Desenvolvedora: Guerrilla Games

Publisher: PlayStation Mobile, Inc.

Data de lançamento: 07 de Agosto de 2020

Plataformas: PC, PlayStation 4

Versão analisada: PC

Pin It on Pinterest