The Longing é um game diferente de tudo o que já joguei. Uma mistura interessantíssima e misteriosa entre “idle game”, aventura e point-and-click.

O jogo foi desenvolvido pela alemã Studio Seufz, e será publicado pela também alemã Application Systems Heidelberg. O game bastante peculiar será lançado no próximo dia 05 de Março, para PC, através do Steam.

Em THE LONGING, o protagonista deve aguardar 400 dias. Esperar durante 400 longos dias, em depressivas e profundas cavernas, pelo despertar de seu rei. Detalhe: estamos falando aqui de 400 dias reais.

The Longing

Tão logo o jogo é iniciado, a contagem regressiva começa: e tudo acontece em tempo real. A contagem dos dias, horas, minutos e segundos é real, e acompanha a vida, digamos, do jogador.

Se você parar de jogar The Longing após 3 horas, e retornar 24 horas depois, todo este tempo terá também se passado in-game. O jogo não para, mesmo quando fechado, mesmo enquanto “parado”/encerrado. Uma proposta inusitada, não?

A história de The Longing

No jogo, o protagonista é uma esquálida figura de olhos amarelados, frágil e de passos lentos. Seu rei, outrora poderoso, deve descansar por 400 dias, para recuperar seus poderes. É notório, aqui, o fato de que existe magia, no game. E não apenas devido aos tais poderes do velho rei: mas não vamos entrar em spoilers.

The Longing

O personagem principal é chamado de Sombra, e na verdade este “nome” é até que bastante apropriado. Ele apresenta sinais de enorme fadiga, de uma grande depressão, e não deixa de mencionar o quão frias e desoladas são as cavernas que atravessa.

A Sombra, ou Shade, caminha de forma extremamente lenta, o que pode até mesmo irritar alguns jogadores mais ansiosos. Portanto, fica aqui um aviso: The Longing é um jogo com um ritmo bastante lento, já a começar pelo elemento “400 dias reais”.

Aliás, quando o jogo começa a ser carregado no computador, um grande aviso aparece em tela: “Wait”, ou “Aguarde”. Pois bem, é isto mesmo: em The Longing, muitas vezes, a espera é enorme.

The Longing

Já me deparei com velhas portas cujos mecanismos certamente enferrujados pelo tempo estavam meio que danificados, e fui então avisado pela Sombra solitária, a qual conversa consigo própria, que seriam necessárias cerca de duas horas para que tal porta fosse completamente aberta.

Ou seja, duas horas reais. Totais. Completamente. E assim foi: fechei o jogo e retornei algumas horas depois, percebendo então que o tempo realmente havia passado, incluindo as duas horas necessárias para a abertura da tal porta. Pude então, meio receoso, atravessá-la.

The Longing

Uma maneira de finalizar The Longing é simplesmente não fazer nada: inicie o game e feche-o. Aguarde então quatrocentos dias para se deparar com o final e, quem sabe, com o despertar do velho rei. Mas esta é uma forma bastante chata de se jogar, não é?

Jogando The Longing

The Longing é um jogo especial. Um indie game encantador, porém repleto de momentos depressivos e opressivos. Estamos nas profundezas, onde outrora um rico reino prosperava, de acordo com trechos de diálogos que lemos (a Sombra fala sozinha), de acordo com inscrições nas paredes, e também conforme visualizamos enorme salões repletos de tesouros.

The Longing

Há inclusive um interessante e curioso local chamado “Halls of Eternity”, ou “Salões da Eternidade”, onde a contagem do tempo para. Sim, enquanto estivermos em tal salão, o tempo para, como que por mágica.

E a própria sombra, conversando solitariamente consigo mesma, afirma que é melhor dar meia volta, pois talvez o tal salão não tenha um fim.

Em The Longing estamos imersos em um conjunto gigantesco de cavernas. Portas conduzem a outros imensos emaranhados de túneis e escadarias, e há água e carvão, por exemplo, além de livros para lermos.

The Longing

Os Salões da Eternidade

Sim, acredite: é possível ler, na íntegra (em inglês), obras de Nietzsche e Herman Melville, dentro do jogo, para “passar o tempo”. Aliás, vale ressaltar que o título da Studio Seufz conta com legendas apenas em inglês e alemão: portanto, se você não domina o idioma, pode encontrar grandes dificuldades.

Obs: na página do jogo no Steam é mencionado o português do Brasil. Portanto, vamos aguardar por novidades até o lançamento do título.

The Longing

Durante o gameplay, a sombra vai tecendo comentários, sempre demonstrando enorme solidão, sempre tentando imaginar o quão grande são aquelas cavernas através da qual ela perambula.

A Sombra também sabe a respeito da frieza e da desolação que habitam aquele enorme mundo subterrâneo, e muitas vezes chega a tecer comentários verdadeiramente comoventes.

É o caso, por exemplo, do momento em que ela encontra um pedaço de Lápis Lazúli e diz então que agora poderá pintar o céu azul que jamais verá com seus próprios olhos.

The Longing

O grande rei

O protagonista caminha com enorme lentidão, é importante ressaltar mais uma vez, e o controle de seus movimentos se dá única e exclusivamente através do mouse. A jogabilidade é extremamente simples, aliás.

Também é importante frisar que, ao caminhar pelas depressivas cavernas, a Sombra está, de certa forma, desobedecendo às ordens de seu rei. Mas não poderia ser de outra forma, não é, afinal de contas, ela possui enorme curiosidade, e sob o comando do jogador se afasta bem rapidamente de sua habitação.

The Longing

Existem, segundo a desenvolvedora, outras maneiras de finalizarmos The Longing sem necessariamente aguardarmos a passagem dos 400 dias. Mas eu ainda não descobri como. Deixarei isto para um próximo artigo.

Gráficos e sons

Os gráficos de The Longing, totalmente desenhados à mão, são simples, porém bem charmosos e bonitos. Algo que salta aos olhos, também, é a Sombra, o protagonista do jogo, com seus enormes olhos amarelados. Sua face macilenta. Seu corpo pequenino e frágil.

Também temos cenários de diferentes cores e texturas, além de elementos diversos em diversas cavernas, como água, por exemplo.

The Longing

Já a trilha sonora do jogo é totalmente atmosférica, e a sonoplastia está de parabéns, com sons ambientes capazes de aumentar ainda mais a imersão do jogador.

The Longing

Digamos que diferentes tipos de cavernas e pisos possuem seus próprios sons característicos, sem contar que os passos da Sombra reverberam de maneiras tais a fazer com que a sensação de solidão aumente ainda mais.

Finalizando

The Longing apresenta uma proposta bastante diferente. Trata-se de um jogo carismático e extremamente leve em termos de consumo de recursos do sistema, o qual apresenta gráficos pintados à mão e um protagonista que perambula em meio a cavernas desoladas sentindo enorme solidão.

The Longing

Ele deve aguardar pelo despertar de seu rei, mas empreende uma jornada rumo a recantos distantes, ansiando sempre por algo mais, por algo que o ajude a eliminar a solidão que corrói seu coração.

Temos aqui um indie game extremamente charmoso e único, uma verdadeira joia rara que, infelizmente, pode passar desapercebida pelo “radar” de muitos jogadores. Não deixe que isto aconteça com você.

Ficha técnica

Título: THE LONGING

Gênero: aventura, point-and-click, experimental

Desenvolvedora: Studio Seufz

Publisher: Application Systems Heidelberg

Será lançado em : 05 de Março de 2020

Plataformas: PC

Versão analisada: PC

Confira também um trailer do game:

Pin It on Pinterest