Imagine que você é alguém com um passado criminoso, obrigado a mudar de nome e de vida, e que agora encontrou finalmente a paz em Paris, a Cidade Luz, trabalhando como um simples motorista de táxi.

Agora imagine que, certa noite, duas pessoas entram em seu carro, sendo que uma delas é um serial killer. Imagine que você é atacado por tal criminoso, e acaba indo parar na UTI de um hospital, entre a vida e a morte, aí permanecendo por duas semanas.

Night Call

Sim, você foi atacado por um assassino em série. Um, aliás, que vem aterrorizando Paris, conhecido como “The Judge”, ou “O Juiz”. Imagine também que em tal ataque, você foi o único a sobreviver, e vive agora aterrorizado por uma policial que sabe de seu passado e que ameaça “liberar seu perfil”, caso você se negue a trabalhar como informante, pesquisando, vasculhando, recebendo informações e correndo atrás de pistas, tudo na surdina, sem despertar suspeitas e ao mesmo tempo em que precisa manter seu trabalho no táxi.

Night Call

É, esta é a premissa para Night Call, jogo com uma belíssima estética noir ambientado em Paris. No título, desenvolvido em conjunto pelos estúdios independentes Monkey Moon e Black Muffin (este último composto pela dupla de artistas Sandra Fesquet e Mathieu Collangettes), o jogador é inserido em uma cidade sombria, trabalhando sempre à noite.

Espere por lindos gráficos em preto e branco, obviamente (desenhados à mão), além de um enredo instigante que constantemente insere dúvidas na mente do jogador. Dúvidas relacionadas às motivações das pessoas, ao que elas farão em seguida, se esta será sua última viagem, etc.

Night Call

Acontece que o protagonista, após as ameaças e a “oferta de trabalho” da policial acima mencionada (chamada Busset), trabalha em constante pressão, conversando com cada passageiro que entra em seu táxi com o objetivo de obter informações. Ele sabe que à qualquer momento pode se deparar com o verdadeiro assassino, e com isto em mente, analisa cada situação detalhadamente.

Recebi da publisher Raw Fury acesso a uma pequena build de Night Call, com cerca de meia hora de duração, justamente para escrever este pequeno preview. Na versão que recebi, pude transportar, além da policial (evento obrigatório), dois passageiros, e me deparei com situações bastante inusitadas.

Night Call

Night Call (página no Steam) insere o jogador em um ambiente muito interessante e dark. O estilo noir do jogo contribui bastante para deixar tudo mais misterioso ainda, e os gráficos são extremamente charmosos.

Durante meu playthrough, transportei e conversei com dois passageiros diferentes, com o objetivo de extrair deles informações que me levassem a alguma pista sobre o serial killer que assombra Paris.

Um deles em especial me deixou com a pulga atrás da orelha, devido a suas atitudes suspeitas e devido a um pedido “especial” que ele me fez (valendo lembrar que o protagonista não se lembra do rosto do assassino).

Night Call

Em Night Call, o personagem principal analisa constantemente os passageiros. Tudo isto é transmitido ao jogador na forma de texto, ao mesmo tempo em que podemos acompanhar o trajeto do táxi através do mapa de Paris na parte superior da tela.

As análises feitas pelo personagem principal são bastante minuciosas, e ele, assim, oferece ao jogador uma série de detalhes que o ajudarão a escolher as perguntas mais apropriadas quando o sistema de diálogo do jogo entrar em ação.

São analisados detalhes como por exemplo tremores nas mãos, demonstrações de ansiedade, desvios de olhar, palavras ditas (ou silêncios expressivos), respiração ofegante, pausas estranhas na conversação, cheiros, etc. Passageiros introvertidos também são analisados, e tudo é, vale lembrar mais uma vez, transmitido ao jogador na forma de texto.

Vai do jogador optar por iniciar uma conversa ou terminá-la, mas vale ressaltar que é de suma importância conversar com todos, pois nosso objetivo é encontrar pistas que levem ao assassino em série.

O jogo possui uma atmosfera muito pesada, valendo também a pena lembrar que o protagonista só trabalha à noite. Findo seu turno, ele retorna a seu apartamento e aí pode, então, dar uma olhada nas informações que Busset vai lhe passando, incluindo fotografias.

Night Call

Night Call tem tudo para ser um jogo de suspense e investigação bastante diferente. Ele mostra ao jogador uma outra Paris, diferente daquela glamorosa e iluminada que estamos acostumados a ver em livros e revistas.

Ele exibe uma Paris escura, muitas vezes chuvosa, esquisita, perigosa, repleta de personagens estranhos e muitas vezes suspeitos, com os quais somos obrigados (afinal, aí está a graça do jogo) a iniciar diálogos que podem ou não levar a informações relevantes.

Vale também a pena lembrar que o jogo, quando lançado, contará com múltiplos finais, sendo que cada jogador, dependendo de suas escolhas, poderá chegar a assassinos diferentes.

Night Call

O jogo deve chegar ao PC, via Steam, durante o inverno (no Brasil). Ou seja, podemos aguardá-lo em alguma data compreendida entre os meses de Junho e Setembro.

Trata-se, obviamente, conforme pude perceber, de um jogo bastante diferente. De uma proposta bastante inusitada, bem diferente daquilo que estamos acostumados a ver nesta gigantesca indústria de games, sempre tão saturada das mesmas ideias, dos mesmos conceitos, dos mesmos estilos. Vou ficar de olho com enorme interesse.

Enquanto isso, fique com um trailer de Night Call:

Pin It on Pinterest