Alguns jogos acabam nos cativando justamente (ou principalmente) devido a elementos surreais neles presentes, como por exemplo Zeno Clash e mais recentemente Rock of Ages 3. E eis que me deparo com Arboria, um título, também, repleto de elementos estranhos. Surreais.

Arboria - Game

Isto não é ruim, é óbvio (dependendo do caso). E o título do estúdio polonês Dreamplant é estranhamente interessante e bonito. Trata-se de uma espécie de mistura entre os gêneros rogue-lite e Souls-Like, digamos.

Arboria conta a história de uma tribo de criaturas que se assemelham a plantas. Elas vivem em uma floresta em algum mundo desconhecido, e se autodenominam Yotunz. O jogo será lançado no Steam, em Early Access, no próximo dia 07 de Maio.

Arboria - Game

Sobre Arboria

Arboria é também, em minha opinião, um Souls-like. O modo como os combates acontecem, a maneira como a estamina possui pouca influência nos movimentos, e a dificuldade de cada embate, são todos elementos que me passaram tal impressão.

No jogo da Dreamplant, o Yotun que controlamos pode se desviar de seus oponentes e pode também desencadear ataques especiais verdadeiramente avassaladores, como a “onda de choque”, por exemplo.

Claro, tais ataques especiais drenam nosso mana, e aí temos de aguardar durante alguns segundos até que ele se restabeleça – isto também é influenciado pelo tipo de ataque que lançamos, se fraco ou forte.

Arboria - Game

Arboria é bastante competente ao introduzir o jogador em masmorras geradas de forma procedural, o que significa que uma jornada jamais será exatamente igual a outra. Isto, como sabemos, é capaz de elevar o fator replay de qualquer game.

Arboria - Game

Infelizmente, o jogo conta, por enquanto, com legendas apenas em inglês, e vale ressaltar aqui um pequeno probleminha que identifiquei nos menus do jogo: a opção para exibir legendas permanece travada em “No”.

Entretanto, as legendas são automaticamente exibidas tão logo iniciamos o jogo ao lado de nossa companheira, uma espécie de “fada” chamada Rata.

Rata, aliás, nos acompanha durante nossa jornada, muitas vezes conversando conosco – os personagens principais são bastante calados. Mudos, mesmo, na verdade.

Arboria - Game

História

No mundo de Arboria, a tribo dos Yotunz está à beira da extinção, uma vez que uma criatura conhecida como Árvore Pai adoeceu.

Nosso papel no jogo, então, é descer às profundezas, ou seja, às masmorras geradas proceduralmente, chamadas de Durnar, para enfrentar horda após hordas de inimigos, incluindo diversos chefões, e tentar salvar a Árvore Pai, a fonte de vida dos Yotunz (não estranhe, o jogo usa “z” ao invés de “s” nos plurais, mesmo).

Obs: assim como “Godz”.

Arboria - Game

O game ainda permite que utilizemos armas simbióticas, as quais brotam de nosso próprio corpo, incluindo espadas e machados.

Tais armas, aliás, são todas feitas de nossa própria essência “botânica”, que fique bem claro. Assim sendo, nossos braços se transformam em armas, letais e perigosas.

Também temos os poderes especiais que gastam mana, vale lembrar, e é possível até que utilizemos itens de cura, durante cada jornada. Cada jornada é única, vale lembrar, e ao morrermos, bem, aí já são outros quinhentos.

Arboria - Game

Morrendo e renascendo

Quanto um Yotun morre em batalha, podemos optar por outro, valendo também a pena destacar que o Xamã da tribo lida com um estranho maquinário, o qual parece mesclar feitiçaria com tecnologia.

Mas voltando ao assunto, quanto um Yotun morre, o jogador pode retornar às masmorras, escolhendo um novo corpo, gerado à partir do “Veri” (espécie de energia vital) do guerreiro anterior.

Quando morremos, aliás, podemos recuperar o acesso a todas as armas simbióticas que possuíamos anteriormente, e é possível até mesmo escolher novas configurações corporais.

Arboria - Game

Em um destes tristes momentos de morte e renascimento, me deparei com “projetos de Yotunz” que não eram capazes de enxergar cores, e também com alguns que simplesmente não enxergavam muito bem.

Optei, no caso, pelo último, e o resultado disto foi que tudo diante de mim ficou meio desfocado, como se eu fosse algum usuário de óculos, portador de astigmatismo, que de repente ficasse sem os mesmos. Muito bacana!

Jogando Arboria

A jogabilidade de Arboria é um pouco dura. Alguns controles demoram um pouco para responder, e tudo transcorre, digamos, meio que lentamente.

Claro, isto não elimina a dificuldade dos combates, nem mesmo com as primeiras criaturas com as quais travamos contato.

Trata-se de espécies de insetos voadores que lançam uma gosma verde para todos os lados quando morrem, os quais são também um osso duro de roer.

Contra tais criaturas, e mais algumas outras, a “shockwave” de nosso guerreiro Yotun funciona muito bem, valendo também a pena lembrar que os combates são bastante táticos.

Arboria - Game

Podemos inclusive travar a mira em inimigos distintos, de maneira tal a que nossos golpes não sejam desperdiçados (o que também me lembra de Dark Souls).

Temos que combater, lutar, metodicamente, com cautela, precisão e tática. Os inimigos são geralmente bastante fortes, e qualquer descuido pode representar a morte.

Enquanto o armamento simbiótico, infelizmente (pelo menos por enquanto) não seja nem um pouco interessante, os “poderes especiais”, provavelmente movidos a magia, são bastante dignos de nota.

Gráficos e trilha sonora

Os gráficos do jogo são muito bonitos, mesmo com a estranheza que seu mundo e seus personagens (incluindo os protagonistas) nos apresentam.

Arboria - Game

Digamos que os personagens de Arboria são “belamente feios”, e até creio que isto seja algo proposital. Desenvolvido na Unreal Engine, o jogo é muito bonito e carismático.

Sua trilha sonora, por outro lado, prima bastante por elementos tribais, principalmente durante os momentos em que estamos prestes a renascer, após uma descida malsucedida às masmorras de Durnar.

Algumas considerações finais

Como já dito acima, Arboria será lançado no Steam, em Acesso Antecipado, no próximo dia 07 de Maio (próxima quinta-feira).

O jogo é bem interessante, mas pode afugentar alguns jogadores dada sua grande dificuldade. Eu mesmo passei por maus bocados enquanto o jogava para escrever este preview (sim, morri muitas vezes).

Arboria - Game

A Dreamplant Studios pretende lançar a versão final do jogo apenas em 2021, e promete mais conteúdo, mais armas simbióticas (mal posso esperar), mais mutações, mais habilidades, mais masmorras, novos inimigos e chefões, etc.

Ela também promete lançar o jogo em sua versão final com dublagem completa, o que me soa bastante, digamos, “apetitoso”.

Enquanto isso, fique com um teaser trailer do game:

Pin It on Pinterest