A vida na Night City de Cyberpunk 2077 não é composta apenas de problemas. O RPG da CD Projekt RED é capaz de proporcionar bons momentos, apesar de todas as polêmicas e problemas envolvidos em seu lançamento.

Obs: aliás, ontem mesmo a empresa deu algumas explicações a um grupo de investidores, sob um clima bem tenso (confira o PDF na íntegra, bem como o áudio da reunião). Obviamente, os investidores não ficaram nada contentes com os problemas envolvendo o lançamento do jogo.

Cyberpunk 2077

Mas voltando ao assunto deste artigo: isto se você estiver jogando no PC, pois nos consoles da “velha” geração a coisa está muito ruim, pelo que vejo internet afora e também com base na experiência de alguns amigos que possuem tais consoles.

Cyberpunk 2077

De qualquer forma, se você adquiriu Cyberpunk 2077 para PC, existem alguns ajustes que podem ser feitos para aumentar, digamos, um pouco, a taxa de quadros por segundo, e também para aprimorar a sua experiência de jogo.

Algumas configurações e ajustes para Cyberpunk 2077

Vale destacar logo de início, também, caso você esteja se perguntando, a configuração na qual estou rodando o jogo. Bem, estou rodando-o em um PC equipado com uma placa de vídeo Nvidia GTX 1080ti, um processador i9 9900k e 16GB de memória RAM 3200mhz ddr4.

Obviamente, é uma configuração acima da recomendada para rodar o game em 1080p, e mesmo assim, tive de realizar ajustes. Rodei o jogo também em um notebook, o qual possui exatamente a configuração recomendada para o jogo da desenvolvedora polonesa, e neste o jogo rodou, também, porém com taxa de quadros inferior à da minha máquina principal.

Cyberpunk 2077

Na minha máquina principal, com as configurações acima citadas, obtenho algo em torno de 35 a 55 quadros por segundo, dependendo do momento, o que já está de bom tamanho, pelo menos para o meu gosto e necessidades, digamos.

Bem, mas o que eu fiz? Abaixo seguem screenshots das minhas configurações gráficas atuais, as quais podem servir a você, dependendo do caso. Trata-se apenas de uma sugestão, que fique bem claro.

E, claro, de antemão sei que trata-se de um jogo muito mal otimizado, e eu tenho certeza de que poderia rodá-lo, com a configuração de hardware acima mencionada, com diversos ajustes gráficos no Ultra, caso a desenvolvedora tivesse feito o “dever de casa” – é o que acontece, por exemplo, com Assassin’s Creeed Valhalla.

Mas vamos aos ajustes que fiz. Grande parte dos ajustes está definido como “Alto (High)”, como você poderá perceber. E mesmo assim, em minha opinião, o jogo é muito, muito bonito (clique nas imagens para ampliar):

Cyberpunk 2077 - Configurações

Cyberpunk 2077 - Configurações

Cyberpunk 2077 - Configurações

Como deu para perceber através das imagens acima, grande parte das opções foi definida para o valor “Alta”; porém, em alguns deles em específico, eu optei pelo valor “Médio”, isto após desligar os seguintes:

  • Grão de filme;
  • Aberração cromática;
  • Profundidade de campo;

Você também pode, por exemplo, reduzir ou até mesmo desligar por completo à opção “nuvens volumétricas”. Isto te garantirá certamente alguns frames por segundo a mais.

Claro: você também pode (e deve) “brincar” com todas as configurações acima descritas, a fim de chegar a níveis aceitáveis de performance e FPS. Afinal de contas, é possível simplesmente ajustar todos os parâmetros para o “Alto” (predefinição rápida”), e à partir daí, então, realizar os necessários ajustes.

Cyberpunk 2077

Vou de Táxi: uma inteligência artificial com alguns problemas

Cyberpunk 2077 certamente tem sua (enorme) quota de problemas. Mas ainda não comentarei a respeito deles. Neste artigo, gostaria de comentar a respeito de uma missão secundária do jogo.

Como se trata de uma sidequest, não inseri nenhum tipo de alerta de spoiler. Entretanto, caso você deseje evitar também comentários e impressões a respeito de tais tipos de missões, fica aqui o gentil alerta: pare de ler por aqui.

Bem, mas vamos lá. Gostaria de comentar a respeito da missão secundária “Vou de Táxi“. Trata-se de uma missão, na verdade, que possui várias “fases”, digamos assim. Ela tem a ver com a empresa de táxis autônomos Delamain, em Night City.

Cyberpunk 2077

E se você está jogando o novo RPG da criadora de The Witcher 3, sabe muito bem que tal empresa é controlada, digamos, por uma IA. Por uma inteligência artificial chamada, bem, Delamain. Vale também destacar que um destes táxis é utilizado em uma das missões principais, por V e Jackie.

Cyberpunk 2077

Mas voltando ao assunto, o “papai Delamain”, a IA central, acaba sofrendo, digamos, o ataque de um vírus. Na verdade, isto não fica lá muito claro durante o gameplay: o fato é que alguns carros acabam fugindo do controle da central. Do “papai Delamain”, digamos assim.

Delamain entra então em contato com V e pede sua ajuda. A princípio, é necessário literalmente ir atrás de alguns dos carros, sendo que todos eles possuem personalidades distintas. Alguns conversarão com V amigavelmente.

Cyberpunk 2077

Outros, por outro lado, agirão de forma agressiva, e existe até mesmo um que tenta se suicidar, momento durante o qual você pode com ele dialogar, optando por uma dentre algumas opções diferentes de respostas.

IAs divergentes em Cyberpunk 2077

Há até mesmo um carro Delamain que coloca uma verdadeira gangue de bandidos para lutar contra o protagonista de Cyberpunk 2077, e eu posso dizer que este é um dos momentos mais tensos da sidequest.

Em parte devido à dificuldade imposta pelos inimigos, e em outra parte devido aos bugs e problemas diversos ainda presentes em Cyberpunk 2077 (falarei mais disto em meu review do jogo, mas vale destacar que tive de reiniciar o jogo duas ou três vezes, para poder completar a tal missão).

Cyberpunk 2077

É importante também destacar a complexidade da personalidade do “papai Delamain”. Na verdade, o grande problema é que, quiçá devido ao tal vírus, a tal personalidade foi dividida.

E assim, cada um dos carros “problemáticos” resolveu fugir do controle do “core” , da central, do “papai Delamain”, e viver sua própria vida; a possibilidade ou não disto acontecer, entretanto, fica à cargo do jogador.

Cyberpunk 2077

Resetando o núcleo

Cada uma das IAs divergentes, aliás, passa a contar com vozes diferentes. Vozes, algumas vezes, ameaçadoras. E em determinado momento, V deve acessar a Central Delamain, se deparando com diversos drones nada amistosos, também.

A princípio, você meramente recuperará (ou não) as IAs divergentes (táxis-robôs), ganhando inclusive somas em dinheiro a cada veículo recuperado com sucesso. Mais adiante, as coisas se complicam um pouco.

O núcleo do Delamain é comprometido, e você tem, então, que arranjar um meio de entrar na central da “empresa”, valendo a pena lembrar que esta foi uma das missões mais bacanas que experimentei no RPG, pelo menos no que diz respeito a sidequests.

Cyberpunk 2077

A nova caranga Delamain, no Modo Fotografia…

Uma vez dentro da central, é preciso lidar com plataformas, chão eletrificado, drones divergentes e extremamente agressivos, e finalmente, com algumas escolhas bem impactantes.

Vale ressaltar que você pode simplesmente destruir o núcleo, e pode também “reiniciá-lo”, por exemplo. E dependendo de suas escolhas, aqui (e Johnny Silverhand, aka Keanu Reeves, tem uma opinião bastante forte a respeito disto tudo), os carros autônomos podem ficar livres da IA principal ou não.

Bem, no meu jogo, em decorrência de minhas escolhas (reiniciei o núcleo), ganhei um extremamente estiloso táxi Delamain, o qual agora posso chamar de meu (e “invocar” à qualquer momento). Porém, deixei de ser, digamos, amigo do “papai Delamain”: ele passou a me reconhecer apenas como um mero mercenário contratado para reiniciá-lo.

Finalizando

É por essas e outras que ainda acredito em Cyberpunk 2077. Ainda acredito que ele pode ser, sim, um grande jogo, desde que a CD Projekt Red cumpra com sua promessa e conserte o jogo, lançando patches tanto para o PC quanto para os consoles.

Aliás, a quantidade de sidequests do RPG é enorme, e o próprio arco narrativo principal é sensacional. É bem triste, no entanto, saber que jogadores no PS4 e no Xbox One, por exemplo, estão sofrendo, principalmente levando em consideração as altas expectativas que quase todos tínhamos, e ainda mais com todo o ótimo histórico (antes deste lançamento) da desenvolvedora polonesa.

De qualquer forma, a missão secundária acima citada, do Delamain (Vou de Táxi), é verdadeiramente imperdível. Inesquecível. Difícil na medida certa, totalmente dentro do escopo do jogo, relacionada com elementos sci-fi, e divertida ao extremo.

Fica a dica. Até a próxima!

[Editado – 11:31 hrs] Obs: e não. Ainda não recomendo que você compre Cyberpunk 2077.

Pin It on Pinterest