A cópia de Kingdom Come: Deliverance utilizada neste review foi gentilmente cedida pelo GOG.COM, uma das maiores lojas de jogos digitais para PC do mundo, que vende também títulos livres de qualquer tipo de DRM.

Adquirindo seus jogos no GOG.COM, você também pode eventualmente contar com uma série de extras muito interessantes, como por exemplo trilhas sonoras, artbooks e wallpapers. A loja também oferece um cliente bastante prático e bacana (mas seu uso não é obrigatório), o GOG Galaxy, o qual conta com recursos extremamente valiosos, como por exemplo captura de screenshots, medição da taxa de quadros por segundo, saves na nuvem e atualizações automáticas dos jogos.

Obs: infelizmente, perdi todas as screenshots que capturei durante meu gameplay prévio de KCD (já joguei por cerca de 22 horas). Ocorreu um problema em meu PC e tive de formatá-lo, e as imagens foram, tristemente, perdidas no processo.

Portanto, abri o jogo rapidamente, hoje (santo cloud saving do GOG Galaxy), e capturei algumas cenas para este artigo, as quais você pode conferir abaixo. Nos artigos seguintes a respeito do jogo certamente incluirei screenshots mais variadas e bonitas – os gráficos do título são verdadeiramente espetaculares.

Kingdom Come: Deliverance

Finalmente pude colocar minhas mãos neste fantástico RPG. Kingdom Come: Deliverance pode ser tranquilamente entendido também como uma espécie de simulador medieval. Tudo começou através de uma campanha muito bem sucedida no Kickstarter, em 2014, através da qual a desenvolvedora Warhorse Studios, sediada na República Checa, arrecadou mais de 1 milhão de Libras Esterlinas – £1,106,371, para ser mais exato (mais de cinco milhões e quinhentos mil Reais, considerando-se a cotação atual)

O jogo ganhou também o apoio da publisher Deep Silver, em 2016, e o estúdio foi recentemente adquirido pela THQ Nordic (da qual a Deep Silver faz parte), por mais de 42 milhões de Euros (valendo ressaltar que também foi adquirida a propriedade intelectual sobre KCD).

Kingdom Come: Deliverance

Kingdom Come: Deliverance é um RPG em primeira pessoa. Um RPG, aliás, bastante diferente daquilo com o qual estamos acostumados. Realista ao estremo, inclusive no que diz respeito a seus gráficos, o título da Warhorse representa também uma verdadeira aula de história.

Não devemos encará-lo, entretanto, da mesma forma que encaramos um Skyrim ou um Dragon Age, por exemplo: ele conta com diversas complexidades que exigem do jogador bastante paciência e perspicácia. Sua curva de aprendizado, além disso, é bem grande, é sempre bom avisar.

O game faz uso da CryEngine. No PC, espere por algo verdadeiramente pesado, exigente, mesmo, em termos de hardware. No entanto, o que vemos em tela, dependendo das configurações pelas quais optamos, é um verdadeiro espetáculo. Há, inclusive (no GOG também), um pacote de texturas em altíssima definição, o qual é totalmente gratuito e eleva a beleza dos elementos e dos cenários a novos patamares.

Mas se você pensa em adquiri-lo para jogar em seu PC, dê uma olhada, antes de qualquer coisa, nos requisitos mínimos e recomendados, para não correr nenhum risco. Confira abaixo:

Requisitos mínimos:

  • Sistema operacional: Windows 7, 8 ou 10 (versões de 64 bits);
  • Processador: Intel Core i5-2500K rodando a 3.3GHz / AMD Phenom II X4 940;
  • Memória RAM: 8GB;
  • Placa de vídeo: Nvidia GeForce GTX 660 / AMD Radeon HD 7870;
  • Espaço em disco: 40 GB;
  • DirectX: versão 11;

Requisitos recomendados:

  • Sistema operacional: Windows 7, 8 ou 10 (versões de 64 bits);
  • Processador: Intel Core i7 3770 rodando a 3,4 GHz / AMD FX-8350 4GHz;
  • Memória RAM: 16GB;
  • Placa de vídeo: Nvidia GeForce GTX 1060 / AMD Radeon RX 580;
  • Espaço em disco: 40GB;
  • DirectX: versão 11;

Kingdom Come: Deliverance

Bem, a história acontece na Boêmia, no século XV (mais precisamente, em 1403). Em uma região histórica da Europa Central, o rei Charles IV, também Imperador do Sacro Império Romano, era adorado pelo povo. Tudo estava bem, o reino prosperava e a paz imperava.

Charles IV, no entanto, acaba morrendo e deixando o trono nas mãos de seu filho, o fraco e inepto Wenceslaus IV, o qual preferia se dedicar a outros tipos de atividades e prazeres a ter de lidar com as atribuições pertinentes a um rei. Ele nem mesmo chegou a comparecer à sua própria coroação, o que, é claro, enfureceu o Papa.

Kingdom Come: Deliverance

Wenceslaus IV acaba sendo raptado por Sigismund, seu meio-irmão e rei da Hungria, e é iniciado então um período verdadeiramente sombrio na bela Boêmia, com pilhagens, assassinatos, invasões e outros acontecimentos terríveis.

O protagonista de Kingdom Come: Deliverance, Henry, não é um herói, e este é um dos elementos mais interessantes do RPG. Ele é meramente o filho de um simples ferreiro, que vivia calmamente sua vida de adolescente no pequeno vilarejo de Skalitz, juntamente com seu pai e sua mãe.

Kingdom Come: Deliverance

Não temos aqui um personagem famoso, poderoso, experiente ou até mesmo hábil com as palavras. Henry não sabe sequer como manejar uma espada (e seu próprio pai era contra a ideia do filho se tornar um guerreiro), e isto é transposto para o lado do próprio jogador, o qual terá então de aprender tudo, do zero. Aliás, o combate em KCD lembra bastante aquilo que podemos experimentar na franquia Mount and Blade, da Paradox Interactive.

É preciso utilizar esquiva nos momentos certos, escolhendo o lado apropriado de acordo com a direção do ataque, e para atacar, por exemplo, é preciso também decidir qual parte/lado do corpo do inimigo pretendemos atingir, com a respectiva movimentação do mouse (ou dos botões do controle) em direção à mesma (estou jogando com teclado e mouse).

Também podemos bloquear golpes e realizar contra-ataques verdadeiramente surpreendentes, sendo que é possível utilizar uma grande variedade de armas, desde sabres e facas até espadas leves e pesadas, passando por machados, arco e flecha, porretes, etc.

A Warhorse Studios consultou diversos especialistas na área, e as mecânicas de combate fazem uso de técnicas reais do século 15. Diversos tipos de movimentos são passíveis de aprendizado, e nunca é demais ressaltar que Henry, o protagonista do jogo, começa realmente do zero, o que acaba obrigando o jogador a aprender tudo por si próprio, treinando sozinho ou então em arenas espalhadas pelo mundo do jogo. Existe também um personagem, Bernard (um capitão), que treina Henry sempre que o jogador desejar, ensinando variadas técnicas, desde o básico até o mais avançado.

Kingdom Come: Deliverance

Mas divago, por enquanto. Voltando ao protagonista, tudo corria muito bem, até que um dia seu vilarejo foi atacado por húngaros sob as ordens de Sigismund. Eles estavam em busca de prata, pois Skalitz contava com minas diversas e era grande fornecedora do minério.

Kingdom Come: Deliverance

No “processo”, o pai e a mãe de Henry são mortos, diante de seus olhos, e resta ao pobre e despreparado jovem uma única e desesperada opção: a fuga desenfreada. O personagem principal rouba um cavalo e foge em direção ao castelo de Talmberg, em busca de ajuda e aliados. Aí ele tem também tempo suficiente para se curar de suas feridas e para planejar o que fazer a seguir, uma vez que sua vida foi praticamente destruída.

Henry, é sempre importante lembrar, é fraco. Inexperiente. Ele aprenderá técnicas de combate, de conversação, de hipismo, etc, conforme treina, conforme as usa, conforme cavalga, conforme luta, e conforme treina.

Mais adiante, nos próximos artigos sobre Kingdom Come: Deliverance, falarei mais a respeito disto tudo, e também a respeito da evolução do personagem, das perks, dos stats, das skills, e de diversos outros elementos do RPG. O jogo é grande, é importante ressaltar, e este é um artigo que faz parte da série “A fila anda“, portanto, achei melhor dividir a análise em várias partes.

Kingdom Come: Deliverance

O RPG também possui elementos de sobrevivência, e se pararmos para pensar bem, estes são bem adequados em um jogo que pretende simular a vida na Idade Média de forma bastante realista. O personagem precisa comer, de tempos em tempos, sendo que a fome afeta negativamente Henry durante o gameplay, em relação à stamina, à força, etc.

Obs: dependendo do nível de força do protagonista, ele pode ou não ser capaz de empunhar espadas mais pesadas e poderosas.

Diferentes tipos de comida também possuem “efeitos” distintos, e obviamente, uma maçã não terá o mesmo valor nutritivo que um pedaço de carne. Além disso, Henry precisa dormir pelo menos a cada 24 horas (ou até menos), sendo que um dos efeitos negativos da falta de sono são escurecimentos da tela que atrapalham bastante o gameplay, meio que simulando alguém caindo no sono e fechando os olhos (imagine só isto acontecendo no meio de um combate!).

Kingdom Come: Deliverance

O RPG também possui ciclos completos de dia e noite, além de variações climáticas dinâmicas que chegam a surpreender. Chuvas torrenciais podem cair, de dia ou de noite, de forma totalmente aleatória, transformando o belíssimo mundo do jogo radicalmente, deixando muitas vezes tudo mais bonito e/ou perigoso/difícil de lidar. É muito bacana.

O mapa do jogo, além disso, é enorme: você pode até mesmo se perder em densas florestas ou bosques, caso não entenda direito o sistema de orientação e/ou caso aja de forma descuidada. Temos, além disso, uma grande variedade de terrenos e áreas, desde fazendas e descampados até cidades, castelos, pequenos vilarejos, rios, lagos, etc.

Kingdom Come: Deliverance também conta com um riquíssimo sistema de diálogos, sempre com várias opções, sendo que o desenrolar da história e as reações dos NPCs podem ser alterados conforme aquilo que optamos por dizer. Além disso, existem diferentes perks, skills e níveis de proficiência que podem facilitar ou dificultar cada um dos diálogos.

Veja bem, digo que KCD é um simulador medieval dadas suas características, dada a profundidade de seu enredo e o cuidado no que diz respeito à história, à acuracidade e a seus fatos (além do próprio período em si), dado o realismo nos combates, dada a representação fantástica de vilas e cidades medievais, bem como da vida que levam seus respectivos habitantes. Existem tavernas, açougues, boticas, vendedores, ladrões, mercenários, nobres, mendigos, monges, padres, guerreiros, cidadãos comuns, agricultores, e mais uma grande variedade de “classes” e estabelecimentos.

Kingdom Come: Deliverance

Com tudo isto em mente, é bom destacar que o comportamento do protagonista é extremamente importante ao longo do jogo. Entrar em uma conversa ou em uma cidade com as roupas sujas de sangue, após uma batalha, é o mesmo que pedir para ser maltratado, ou no mínimo tratado com desconfiança ou medo (isto se reflete até mesmo no modo como os comerciantes tratam o personagem principal: eles podem até se recusar a negociar os preços).

Inimigos também podem se render, após levarem a pior em um combate, e é importante ressaltar que dependendo da situação, nem sempre é uma boa ideia matá-los quando isto acontece: a misericórdia pode ser uma boa pedida, e até mesmo render alguns Groschens (a moeda corrente) a mais.

Esta é a primeira parte de minha série de artigos a respeito de Kingdom Come: Deliverance, como eu disse acima. Ao longo dos próximos textos, irei dar mais detalhes a respeito da história, da customização e da evolução do personagem, de suas habilidades, do aprendizado in-game, dos gráficos (valendo lembrar mais uma vez que eles são lindíssimos), dos problemas e dos bugs (é claro que o jogo os tem), do sistema de orientação, das quests principais e secundárias, do lockpicking, etc.

Kingdom Come: Deliverance

Vale ressaltar que trata-se de um jogo e tanto, e abaixo seguem algumas curiosidades bem interessantes a respeito dele, divulgadas quando da aquisição de sua desenvolvedora pela THQ Nordic:

  • Só o roteiro do jogo preenche mais de 2.200 páginas de texto, contendo 4,1 milhões de caracteres;
  • 50 atores gravaram mais de 45.000 linhas exclusivas;
  • No último mês de fevereiro, foi anunciado pela Warhorse e pela Koch Media que Kingdom Come: Deliverance vendeu mais de 2 milhões de cópias em todas as plataformas;
  • O título ganhou mais de 30 prêmios de mídia, shows e vendas em todo o mundo;

Ficha técnica

Título: Kingdom Come: Deliverance

Gênero: RPG, mundo aberto, medieval

Desenvolvedora: Warhorse Studios

Publisher: Warhorse Studios, Deep Silver

Data de lançamento: 13 de Fevereiro de 2018

Plataformas: PC, PlayStation 4, Xbox One

Versão analisada: PC

Trailer de lançamento do RPG:

Pin It on Pinterest